Voltar

Placenta Prévia

Palavras relacionados

Compartilhe este conteúdo

A placenta prévia é uma condição obstétrica na qual a placenta se implanta anormalmente baixa no útero, cobrindo parcial ou completamente o colo do útero. 

Esta condição pode representar um desafio significativo durante a gestação e o parto, exigindo monitoramento cuidadoso e, em alguns casos, intervenção médica. Entender os aspectos fundamentais da placenta prévia é crucial para garantir a saúde materna e fetal.

Diagnóstico e Monitoramento da Placenta Prévia

O diagnóstico dessa condição geralmente é feito durante um ultrassom obstétrico de rotina, realizado no segundo trimestre da gravidez. O principal critério diagnóstico é a observação da placenta posicionada próxima ou sobre o colo do útero.

Em casos de suspeita ou confirmação de placenta prévia, é essencial um acompanhamento próximo ao longo da gestação para monitorar qualquer mudança na posição da placenta e possíveis complicações.

Tratamento e Manejo

O tratamento da placenta prévia depende da gravidade dos sintomas e do estágio da gestação. Em casos leves, onde não há sangramento ou complicações, o médico pode recomendar repouso e evitar atividades que possam aumentar o risco de sangramento, como relações sexuais e exercícios vigorosos.

Nos casos mais graves, nos quais há sangramento vaginal significativo ou complicações para a mãe ou o feto, pode ser necessária hospitalização e intervenção médica imediata.

Em alguns casos, o parto por cesariana pode ser recomendado para reduzir o risco de hemorragia durante o parto vaginal.

Impactos Potenciais da Placenta Prévia na Saúde

O principal impacto da placenta prévia é o risco aumentado de sangramento vaginal durante a gestação, o que pode representar uma ameaça à vida para a mãe e o feto.

O sangramento vaginal pode resultar em anemia materna, hemorragia grave e comprometimento do suprimento de oxigênio para o feto, o que pode levar a complicações como parto prematuro, baixo peso ao nascer e até mesmo morte fetal.

Além disso, essa condição está associada a um risco aumentado de placenta acreta, uma condição na qual a placenta se adere excessivamente à parede uterina, aumentando ainda mais o risco de hemorragia durante o parto.

Medidas Preventivas e Recomendações 

Embora não haja maneira garantida de prevenir a placenta prévia, existem algumas medidas que podem reduzir o risco de complicações.

  • Evitar fumar e o consumo de álcool durante a gravidez pode ajudar a reduzir o risco de placenta prévia, bem como outras complicações obstétricas.
  • O acompanhamento pré-natal regular e a realização de todos os exames de ultrassom recomendados são fundamentais para detectar precocemente qualquer anormalidade na posição da placenta e iniciar o manejo adequado.
  • Em casos de placenta prévia diagnosticada, seguir as recomendações médicas rigorosamente, incluindo repouso e restrição de atividades, pode ajudar a minimizar o risco de complicações graves.

A placenta prévia é uma condição obstétrica complexa que requer uma abordagem cuidadosa e individualizada para garantir a saúde e segurança da mãe e do feto. 

O diagnóstico precoce, o monitoramento regular e o manejo adequado são essenciais para reduzir o risco de complicações graves, como hemorragia vaginal e parto prematuro. 

Ao seguir as recomendações médicas e tomar as precauções necessárias, é possível minimizar os impactos negativos da condição e garantir uma gestação segura e saudável.

Agendar visitaPrecisa agendar uma visita ou uma consulta?Quero agendar uma visita

© 2020 Santa Joana. Todos os direitos reservados.

Rua do Paraíso, 432 | CEP 04103-000 | Paraíso | São Paulo | SP | 11 5080 6000

Responsável Técnico: Dr. Eduardo Rahme Amaro | CRM 31624