Consciência Obstétrica

O programa de Consciência Obstétrica promove diversas iniciativas para incentivar o parto normal, aumentar o vínculo da mãe com o bebê e colocar as mulheres como centro do cuidado.

Consciência Obstétrica

Desde 2014, criamos o Programa Consciência Obstétrica, um grande movimento que envolve pacientes, médicos e profissionais da saúde a fim de promover do parto normal e escolhas conscientes nas questões que envolvem o parto: grau de intervenções, maneiras de se promover o vínculo precoce com o recém-nascido, cuidados iniciais com o bebê, entre outras.

Nosso objetivo é levar mais humanização em cada etapa, o que em nosso ver significa respeitar a individualidade e os desejos maternos, sempre com foco na segurança e na saúde da mãe e do bebê.

O programa atua principalmente em três pilares:

  • Mudanças nas condutas da instituição, com o objetivo de melhorar nossos processos;
  • Ampliação da estrutura física da maternidade: criação do Centro de Parto Normal com novas suítes de parto e oferta de equipamentos para alívio da dor;
  • Desenvolvimento profissional, focando no treinamento das equipes multiprofissionais.

Atendimento personalizado

Queremos oferecer às gestantes informações de qualidade, para que tomem decisões conscientes. Por isso, criamos a reunião com o Grupo de Consciência Obstétrica. A equipe se reúne com as gestantes e seus acompanhantes para tirar dúvidas ou falar sobre suas expectativas relacionadas ao parto e os procedimentos adotados no Santa Joana. A paciente pode levar à reunião o seu plano de parto e discuti-lo com os especialistas. Com isso, chegará mais preparada para o parto. A consulta é individual, realizada com enfermeiras obstétricas.

Para agendar a sua reunião com o Grupo de Consciência Obstétrica, ligue: (11) 5080-6000 – opção 1 ou clique aqui para enviar um e-mail

FOTO 1

Preparando nossos profissionais

Para abordar este assunto com profissionais da área, em 2014 promovemos o 1º Fórum sobre Consciência Obstétrica, que discutiu a assistência ao parto no Brasil com um público multidisciplinar.

Ao longo dos últimos anos, promovemos importantes trocas de experiências e visitas a diversas maternidades fora do Brasil para conhecer as melhores práticas relacionadas a assistência ao parto.

Conheça nosso histórico:

  • Em 2014, levamos uma equipe para treinamento por um mês no Stratus Center for Medical Simulation, um dos Centros de Simulação de maior renome internacional e também filiado ao complexo de Harvard. A partir daí, começamos a estruturar a criação do nosso próprio centro, que aconteceu no ano seguinte.

  • Em 2015, criamos o primeiro Centro de Simulação realística especializado em Ginecologia, Obstetrícia e Neonatologia, com o grande diferencial de que todos os nossos instrutores em simulação fazem parte do corpo clínico institucional e tem uma ampla bagagem de conhecimento e experiência clínica nas suas respectivas áreas de atuação. Investimos também na aquisição de robôs que simulam as reações fisiológicas e complicações durante o parto normal. Com estes treinamentos, as equipes ficam mais preparadas para lidar com intercorrências.

  • Em 2015, foi criado o Guia da Consciência Obstétrica, material onde estão as nossas diretrizes para o parto normal, com o objetivo de padronizar as ações da equipe e fornecer orientações adequadas para a paciente e a família.

  • Ainda em 2015, foi realizada a I Jornada Internacional de Doulas, que contou com palestrantes internacionais do Brigham and Women’s Hospital para falar sobre a importância e papel da Doula no ambiente hospitalar.

  • Em 2016, criamos Treinamentos sobre Consciência Obstétrica, com uso de atores, robôs e cenários que simulem situações reais em oito módulos de conteúdo. Até 2021 já foram treinados mais de 1500 médicos e enfermeiros.

  • Em 2017 realizamos uma visita no Hillcrest Hospital, hospital da mulher filiado ao Cleveland Clinic para melhor explorar os programas relacionados à experiência do paciente em obstetrícia e nos reunimos com a Birthing Gently, uma associação de doulas americana.

  • Também em 2017 criamos a “entrevista sobre parto normal”, uma reunião agendada uma enfermeira obstetra e, se houver necessidade, um obstetra ou anestesista. Este encontro tem o objetivo de esclarecer dúvidas sobre o parto normal, conhecer os procedimentos institucionais e apresentar e discutir o plano de parto.

  • No mesmo ano, ampliamos o número de salas de parto normal. Passamos a ter suítes com banheira, som ambiente e equipamentos que favorecem o trabalho de parto, como bola suíça, barra de alongamento e cavalinho.

  • Em 2018, começamos a realizar o treinamento para credenciamento de doulas. A gente entende o papel importante desta profissional na equipe multiprofissional, favorecendo todo o apoio psicológico para a paciente durante o trabalho de parto e parto. Até 2021, aproximadamente 250 doulas já foram credenciadas.

  • Em 2019, uma equipe de 11 pessoas do Santa Joana foi para Dublin, na Irlanda, no The National Maternity Hospital, centro de referência em partos normais. Lá, fizemos um curso de uma semana de imersão em assistência ao parto com o Dr. Michael Robson, criador da Classificação de Robson, usada pela Organização Mundial da Saúde para orientar e monitorar partos normais ao redor do mundo.

  • Também em 2019, adotamos novos protocolos de humanização: campo cirúrgico transparente em cesáreas para que a mãe visualize o nascimento;

  • Ainda em 2019 realizamos uma reunião na Organização Mundial da Saúde, em Genebra, com a Dra. Ana Pilar Betrán Lázaga, chefe do Departamento de Melhoria e Pesquisa em Saúde Materna, Perinatal e Reprodução da OMS. O objetivo do encontro foi apresentar os resultados do Grupo Santa Joana e troca de diretrizes e boas práticas relacionadas ao parto normal.

  • Neste mesmo ano, realizamos o curso PROMPT (Practical Obstetric Multi-Professional Training) no Royal College of Obstetricians e Gynaecologists, em Londres. Curso de três dias que abordou temas como: atuação em complicações no parto, comunicação, trabalho em equipe e assistencial ao parto.

  • Em 2020, trouxemos para o Brasil o Dr. Diogo Ayres, membro da FIGO (Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia), diretor do Serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar de Lisboa do Norte e profissional de referência mundial em cursos de cardiotografia e monitorização fetal intraparto.

  • Também em 2020 passamos a realizar a teleorientação sobre analgesia no parto. Nos atendimentos individualizados com a Chefe da Anestesia, as gestantes podem tirar dúvidas sobre dor e avaliação anestésica no parto normal.

  • Ainda em 2020, criamos o curso de parto normal de preparação para gestantes, em três módulos com vídeoaulas. Além da parte online, a gestante pode vivenciar o preparo para o parto normal em um ambiente simulado com todos os materiais e equipamentos. Nesta aula prática, a gestante experimenta o cavalinho, a bola, a banqueta e tira suas dúvidas de analgesia. Além disso, vê um parto acontecendo com a possibilidade de interagir com médico e enfermeira obstétrica em um ambiente simulado real. Esta simulação tem a duração de 4 horas.

  • No mesmo ano, passou a integrar a equipe a Dra. Vera Denise Toledo Leme, que tem 40 anos de experiência no Hospital Maternidade Vila Nova Cachoeirinha, instituição de referência para parto normal.

Melhoria contínua

Com mais de 1600 profissionais de saúde treinados, pretendemos alcançar o principal objetivo do projeto, que é levar continuamente conhecimento e consciência sobre o tema.

Além disso, fomos certificados pela Sociedade de Obstetrícia e Perinatologia como Centro de Excelência em Anestesia Obstétrica, certificação que apenas 39 centros no mundo tem, atestando a excelência em termos de métodos de alívio de dor.

Para aperfeiçoar continuamente a nossa assistência ao parto normal, desde 2020, contamos com uma nova profissional comandando a equipe, a Dra. Vera Denise Toledo Leme. Após 40 anos de experiência no Hospital Maternidade Vila Nova Cachoeirinha, instituição referência em parto normal, a médica chega para integrar a equipe de obstetrícia do Santa Joana, coordenação da obstetrícia de risco habitual.

  • A primeira delas ocorreu em 2014, quando fomos a duas das principais maternidades dos Estados Unidos (Brigham and Women’s Hospital and Women’s and Infant Hospital), ambas filiadas à escola de Medicina de Harvard. O objetivo da visita foi, além de conhecer os programas hospitalares de assistência às gestantes e neonatos, capacitar nossos profissionais em Simulação Realística no que existe de mais atual em assistência ao parto.

  • Também em 2015, foi realizada a I Jornada Internacional de Doulas, que contou com palestrantes internacionais do Brigham and Women’s Hospital para falar sobre a importância e papel da Doula no ambiente hospitalar. Criamos um projeto pioneiro de credenciamento das Doulas, incluindo-as na participação das trilhas de credenciamento e desenvolvimento institucionais. Desde o início, elas foram incluídas nos nossos programas realizados no Centro de Ensino e Desenvolvimento do Hospital e Maternidade Santa Joana participando dos treinamentos gerais que envolvem segurança do paciente, Programa de Redução de Mortalidade Materna, Reanimação Cardiopulmonar, incêndio, abordagem multidisciplinar do alívio da dor no parto, entre outros.

  • Em 2016, foi criado um Comitê de Consciência Obstétrica com o objetivo de direcionar e acompanhar o projeto. No mesmo ano, elaboramos um guia completo respondendo às dúvidas mais comuns das famílias, trazendo orientações e fluxo de atendimento, para nortear os profissionais.

  • Em 2017 realizamos uma visita no Hillcrest Hospital, hospital da mulher filiado ao Cleveland Clinic para melhor explorar os programas relacionados a melhor experiência do paciente em obstetrícia  e nos reunimos com a Birthing Gently, uma associação de doulas americana.

A consciência obstétrica foi tema abordado nos últimos Congressos de Medicina Obstétrica, realizados anualmente pelo Grupo Santa Joana, que reúnem os principais especialistas em obstetrícia do Brasil.

Já foram realizados diversos treinamentos, sempre com o objetivo de orientar os profissionais da saúde sobre humanização, disseminar o conceito da consciência obstétrica e as diretrizes institucionais, além de abordar os direitos da paciente e segurança assistencial.

Com mais de 1600 profissionais de saúde treinados, pretendemos alcançar o principal objetivo do projeto, que é levar conhecimento e consciência sobre o tema.

Cuidado humanizado

Desde que criamos o Programa Consciência Obstétrica, revisamos diversas práticas assistenciais, com o objetivo de promover o vínculo familiar precoce da mãe com o bebê. Assim, procuramos reduzir as intervenções, promover um ambiente mais acolhedor e mais tranquilo durante o parto. Tudo isso, claro, sem deixar a segurança em segundo plano.

FOTO 3

  • Aumento no número de salas de parto normal (LDR), que possuem equipamento para alívio da dor, como bola, banheira, barra de alongamento, balanço pélvico tipo “cavalinho”.

  • Desde o nascimento a mãe e o bebê ficam o tempo todo juntos, respeitando as condições clínicas do recém nascido.

  • Respeito ao plano de parto, documento em que a mãe registra previamente os seus desejos em relação ao parto, detalhando quais procedimentos estão autorizados ou não. Estimulamos a elaboração do plano de parto em conjunto com um especialista que possa esclarecer eventuais dúvidas sobre os procedimentos. Temos um objetivo único, que é a segurança da mãe e do bebê. Por isso, eventos durante o trabalho de parto que representem algum risco podem levar à decisão clínica não prevista no plano de parto.

  • Realizamos parto humanizado em diferentes posições, como semi sentada, de cócoras, lateral, quatro apoios e com banco de parto.

  • Fazemos o credenciamento de doulas para atuar no trabalho de parto normal, caso seja de interesse da família. Elas oferecem suporte emocional, conforto e apoio.

  • Não realizamos a episiotomia (corte no períneo) como rotina em todos os partos, apenas quando necessária.

  • Adotamos o corte tardio do cordão umbilical. Isso auxilia na maior passagem de sangue e de hormônios para o bebê, enquanto a respiração é trabalhada.

  • Estimulamos o aleitamento materno exclusivo, realizando a amamentação na primeira hora de vida, ainda na sala de parto. Isso fortalece o vínculo da mãe com o bebê e traz inúmeros benefícios para o recém-nascido, além de colaborar para o sucesso da amamentação.

  • O contato pele a pele se inicia na primeira hora de vida, desde que as condições clínicas permitam. Isso ajuda a estabelecer o vínculo mãe-bebê, na estabilização da temperatura corporal e na liberação de ocitocina. A partir deste momento, o bebê fica grudadinho na mãe, no top baby, durante todas as etapas até chegar no quarto.

  • Realizamos o banho do bebê após 24 horas, para manter a camada protetora por mais tempo, ajudando a prevenir infecções.

Clique aqui e saiba mais sobre as nossas ações de humanização.

As ações de humanização promovidas pelo Programa de Consciência Obstétrica também são voltadas para os casos de cesárea. Um exemplo é o campo transparente, em que a mãe pode ver o momento exato do nascimento do bebê, mesmo com parte de seu corpo isolado do local da cirurgia. Seja qual for o tipo de parto, a gestante pode trazer sua playlist para tocar na sala de parto e as luzes podem ser reduzidas no momento do parto, se o médico autorizar.

Estamos abertos a escutar os seus desejos e faremos o possível para atendê-los. Também estamos disponíveis para tirar as suas dúvidas. O Santa Joana é seu parceiro nessa jornada.

Central de Atendimento

(11)5080-6000 Opção 1

2ª a 6ª feira, das 08h às 19h
Sábado das 08h às 12h

Agendar visitaAgende uma visita, vamos adorar receber você.Quero agendar uma visita

© 2020 Santa Joana. Todos os direitos reservados.

Rua do Paraíso, 432 | CEP 04103-000 | Paraíso | São Paulo | SP | 11 5080 6000

Responsável Técnico: Dr. Eduardo Rahme Amaro | CRM 31624